Cenário

A campanha #SomosTodosJuízes partiu da necessidade de se pensar alguma iniciativa de comunicação que colocasse a magistratura e a população lado a lado, num momento político conturbado no qual as esperanças do cidadão são depositadas no Judiciário. Ao mesmo tempo, ter a Associação dos Magistrados Brasileiros como uma mensagem institucional eficiente tanto para a magistratura (foco na valorização do papel do juiz) quanto para a sociedade (trazer o cidadão para a missão de decidir sobre coisas comuns da vida). Para aliar esses públicos numa mesma campanha, foram propostas ações de comunicação integrada. A campanha começa no digital, com conteúdos e vídeos para gerar engajamento social no debate. Mas o próprio juiz, em cada comarca precisa se sentir parte de todo esse conceito, por isso ações de comunicação específicas para esse público, com engajamento das entidades de representação regional. Para a campanha gerar repercussão e conquistar credibilidade, fundamental um trabalho de relacionamento com a imprensa e influenciadores digitais. para dar credibilidade à pauta a comunicação junto à magistratura tem a missão de engajar os juízes a retomada de uma aproximação, da criação de um elo sólido e legítimo entre a população e os magistrados. O primeiro passo é o magistrado entender o seu real valor e a contribuição que ele dá diariamente para a sociedade e para a garantia da cidadania. O segundo e importante passo é em direção ao cidadão, mostrando que o magistrado sempre esteve ao lado do brasileiro. Ela  tem como conceito um forte apelo visual, engajamento nas redes sociais, estratégias de comunicação online, off-line e de relacionamento com a imprensa.

Estratégia

A estratégia de comunicação proposta foi, então, a de posicionar a AMB como protagonista nas discussões sobre o Poder Judiciário e Corrupção. Diante disso, surgiu outro desafio: o de sensibilizar a entidade e filiados para aderiram a campanha.
A campanha para a valorização do Judiciário foi feita para ser interativa, informativa e educativa. Tem como carro-chefe uma série de vídeos, que são trabalhados juntamente a campanhas de endomarketing, assessoria de imprensa, ações offline e de Relações Públicas, além de estratégia digital nos perfIs oficiais –AMB. Com diferentes mensagens para o publico interno e externo, a campanha está dividida em três fases: FASE 1: Lançamento: Depoimento com apelo emocional; FASE 2:Diálogos em tom educativo e FASE 3: Chancelamento da campanha com apoio de celebridades

Objetivo

Objetivos: Aumentar a exposição dos temas relativos à luta pelos direitos das mulheres nas redes sociais; Envolver outras camadas da sociedade em torno do tema, não apenas os movimentos sociais organizados e agentes governamentais; Chamar atenção da sociedade para a importância da realização da 4ª CNPM.

Mensagem: Provocação e afirmação de poder; Autorreflexão; Apelo racional: realidade e políticas públicas para as mulheres; Viralização nas redes sociais.

Soluções

O lançamento da campanha ocorreu 09/05 ,com o primeiro vídeo da campanha. Após o lançamento, podemos mapear a aderência dos diversos públicos, o destaque recebido pela mídia e o engajamento por conta dos associados.

A campanha foi trabalhada na imprensa, rádio, TV, imprenso e online. Foram feitas campanhas de endomarketing, lançamentos da campanha nos Estados, campanha nas redes sociais e chamadas pela rádio web. Além disso, a campanha também utilizou-se do broadcast criado pela Inpress para o cliente.

Resultados

A divulgação de lançamento resultou em 34 inserções na imprensa nacional e regional. Nos impressos e onlines, a campanha foi destaque em veículos como Agência Estado, jornal Estadão, Correio Braziliense e Uol.  O presidente e o vice-presidente de Comunicação concederam entrevistas para a TV Record, Record News e Band Brasília. Entre as rádios, os destaques foram a Rádio CBN, Rádio BandNews e Rádio Justiça.

Ao todo foram produzidos e distribuídos três conteúdos em áudio pela Rádio Web sendo 2 reportagens e 1 spot institucional. Os conteúdos obtiveram 1.129 aproveitamentos proporcionando mídia espontânea em 695 emissoras. Esses conteúdos alcançaram 603 municípios de 25 estados, no Distrito Federal e também do Exterior em rádios com programação em português nos Estados Unidos e Portugal. O potencial de audiência chegou a mais de 80.500 mil ouvintes computando-se apenas os municípios-sedes das emissoras.

As interações no Facebook somaram 3.773 curtidas, 1.255 compartilhamentos, além de 240 interações no Twitter. Entre as 26 associações estaduais, 23 divulgaram a campanha em alguns de seus canais (site, facebook, twitter e/ou imprensa local).