Uma grande comunidade, com o poder de mudar parte do um mundo ou quem sabe ele todo. Essa é a sensação de quem vai a uma edição da Campus Party, um dos maiores eventos de tecnologia, inovação e criatividade do mundo. Estive presente na terceira edição do evento, em Brasília, no fim de junho.

A Campus Party Brasília reuniu em cinco dias mais de 100 mil pessoas no Estádio Nacional Mané Garrincha. E todas elas têm algo em comum: a vontade de mergulhar no novo, de aprender. Com o bônus de fazer conexões entre pessoas e com isso engajar uma rede de conversas, capaz de influenciar em vários níveis.

Em mais de 350 horas de conteúdo, o evento contou com um palco só para palestras de criatividade e um espaço de workshops para creators ❤ entre elas uma sobre a influência para o bem e a construção das mensagens, do conteúdo e do impacto gerado nos consumidores das diversas plataformas de interação digital.

Uma pergunta que muitos se fazem neste universo de produção de conteúdo é: qual é hype do momento? Posso dizer que a sentimentalização do marketing de conteúdo é que nos faz criar além das vendas, de números, de engajamento, nos faz influenciar o comportamento das pessoas por meio do principal valor nisso tudo: o humano.
Saber qual é o seu propósito e valor. A partir deste ponto somos capazes de contar histórias (o famoso storytelling) ao nosso favor, contar a vida real, o porquê, afinal de contas assim transmitimos conhecimento e conquistamos uma audiência fiel, que passa a enxergar verdade e a essência do conteúdo.
Uma das palestras mais bacanas que assisti na Campus Party Brasília 3 falou sobre isso. Mas de um jeito diferente. Com o título “o segredo da inovação”, o professor do curso de Engenharia de Software da Universidade de Brasília (UnB), Wander Pereira, jogou no ar a pergunta: inovar para ser feliz ou ser feliz para inovar?
Ele criou a matéria de Felicidade no curso e comprovou por A+B que existe uma relação entre sociedade do conhecimento e a felicidade. E como o trabalho intelectual tem sido uma das fontes de infelicidade e adoecimento da população, por não saber lidar com essa enxurrada de informações que acumulamos diariamente e o seu “eu feliz”.
O gerenciamento de inovação com a experiência de consumo são sim essenciais em um mercado que hoje é tão dinâmico. Porém, tão grandisoso quanto isso é entender a importância de saber para quem você fala. São pessoas. E elas se identificam com o que você é e não com o que você fala ou faz. E nesta corrida do marketing de conteúdo, se destaca quem leva a soma disso na mochila.

Michelle Macedo, Analista Digital.

Pin It on Pinterest

Share This